Os valores essenciais são bons filtros para manterem os profetas e todos aqueles que operam no dom de profecia ajustados. Entretanto mesmo com bons valores a profecia deve sempre ser julgada, a recomendação de Paulo é: liberdade para o Espírito Santo, liberdade para as profecias e um exame correto de tudo.

Julgando a Profecia na Antiga Aliança X Julgando a Profecia na Nova Aliança

Toda profecia deve ser julgada mas existe um diferença em como a profecia era julgada na Antiga Aliança da forma como a profecia é julgada na Noa Aliança.  Na antiga aliança havia apenas uma forma para julgar a profecia, ela deveria se cumprir e então de fato seria verdadeira ou não se cumprir e ser uma falsa profecia, isso deve a forma como os profetas do Antigo Testamento recebiam a palavra, eles não tinham o Espírito Santo dentro deles para os guiar ou julgar a profecia, a questão que esta forma de julgamento condenava os profetas por idolatria caso recebessem uma profecia que não se cumprisse [Dt. 18:19-22], e condenava o povo caso não dessem ouvidos a profecia [Dt. 18:19].
Precisamos estar conscientes de que os profetas da Nova  Aliança em alguns momentos erram quando percebem, interpretam ou aplicam a palavra, e por isto a recomendação de Paulo para que somente a profecia seja julgada, e não os profetas [1 CO. 14:29]. O fato é que na Nova Aliança a palavra deve ser julgada no espírito por aquele que a ouve [Rm. 8:16]. O Espírito deve testificar e confirmar em nosso coração, a palavra deve ser percebida em nosso espírito. Ao contrário da Antiga Aliança, as palavras proféticas da Nova Aliança não são direções, determinações ou guias. Na Nova Aliança todos os filhos de Deus são guiados pelo Espírito Santo em seu interior (Rm. 8:14), neste contexto profecias são percepções e confirmações, para aquilo  que é confirmado em nosso interior pelo Espírito.

Apocalipse: O nível mais alto da revelação

Para analisar um bom exemplo de profecia do Novo Testamento tomaremos Apocalipse capítulos 2 e 3. O livro de Apocalipse é o nível mais alto de revelação do Novo Testamento e portanto das escrituras. O livro em si é a revelação [em grego apokalypsis] de Jesus Cristo, e nos capítulos 2 e 3 ele apresenta a revelação de Jesus as igrejas da Ásia Menor. Quando mencionados estes textos muitos associam automaticamente ao pecado das 7 igrejas, mas há muito mais que pode ser  visto, como um modelo para profecia no Novo Testamento. Em cada uma das cartas vemos: 1. a revelação de Jesus [Ap. 2:8]; 2. a revelação da identidade dos santos [Ap. 2:9]; 3. a advertência ou confronto [Ap. 2:10b]; 4. a restauração ou a saída [Ap. 2:10c]; 5. o encorajamento [ Ap. 2:10a]; 6. a recompensa [Ap. 2:11].   Não se trata de  “revelação de pecados” ou acusações, mas sim de uma profecia consistente que edifica, encoraja e consola. [Pense nas palavras que você tem recebido ou profetizado, elas se parecem com este modelo?]. As cartas as 7 igrejas são a Perspectiva Profética de Jesus sobre a situação da igreja na Ásia Menor, em alguns momentos Ele faz correções e advertências as igrejas, mas sempre confrontando em amor, sempre ressaltando a identidade, sempre mostrando restauração, sempre encorajando e demostrando a recompensa.

Julgaremos corretamente a profecia se  estamos na perspectiva de Jesus [Ef. 2:6] e com os olhos de Jesus.

7 filtros para julgar a profecia [ Você pode acrescentar outros se preciso]

  1. A palavra deve estar de acordo com as Escrituras [Gl. 1:8; 1 Pe. 1:19] 
  2. A palavra deve testificar no Espírito de quem a recebe gerando paz [Rm.8:16; Cl. 3:15]
  3. O fruto da palavra profética deve ser a revelação da glória de Deus [  1 Co. 14:25]
  4. Os profetas e a liderança precisam estar de acordo com a : revelação, interpretação e aplicação [ Hb. 13:17]
  5. A interpretação deve ser baseada na palavra do Espírito Santo e não nosso conhecimento humano [ 2 Pe. 1:20-21].
  6. Considere se a profecia é condicional ou incondicional [At. 11:27-28; Ez. 37:1-10]
  7. Outros pontos são: profecias não geram medo, profecias não geram escravidão, profecias levam ao relacionamento mais próximo com Deus, profecias não tentam manipular ou controlar . A chave é entender os valores essenciais e aplica-los na hora de julgar a profecia.
    Exercícios de Ativação: 

    1. Pense nas profecias que você já recebeu, e anote em folhas distintas. Aplique os 7 filtros aqui apresentados, apague as partes que não condizem com a escritura. (Questione: Esta profecia está de acordo com as Escrituras? Está profecia me traz paz? Esta profecia expressa a natureza de Graça e Bondade de Deus? A interpretação desta palavra veio do conhecimento humano ou do Espírito Santo? Esta profecia é condicional ou incondicional? Meus líderes[ pastores, discipuladores etc.] estçao de acordo com esta profecia?
    2. Confesse e declare Romanos 8:14
      “Sou filho de Deus e sou guiado pelo Espírito e não por profecias”
    3. Se você começou a ativação no post anterior. Reveja, mais uma vez, a carta escrita e julgue de acordo com os 7 pontos apresentados se ainda há algo que possa  impedir a aplicação da profecia, risque as partes que não estão de acordo. Se preciso ore novamente por revelação. Reescreva a carta e entregue ao destinatário. Envie seu testemunho desta ativação para: expansaodoreino.contato@gmail.com

    No dia 19 de novembro de 2016 o ONDHA realizou o dia profético, um dia onde compartilhamos o que temos vivido como família no ministério profético. Tive a honra de ministrar sobre a nossa Perspectiva Profética, e aquilo que temos recebido de Jesus como valores para o ministério. 


 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s