A Missão Expansão do Reino crê na graça para compartilhar, isto é, transbordar  em toda boa obra. Antes de contribuir e ofertar nesta missão encorajamos que você conheça o caráter doador da graça, não desejamos que sua oferta seja feita sem um entendimento. Compreendemos o terrível desvio da igreja quanto ao assunto, não desejamos de forma alguma utilizar o pedido de ofertas como pretexto para falsas crenças e práticas.

“E Deus é poderoso para fazer que lhes seja acrescentada toda a graça, para que em todas as coisas, em todo o tempo, tendo tudo o que é necessário, vocês transbordem em toda boa obra.” [2 Coríntios 9:8]

 

Enriquecer para Generosidade

Deus é um bom Pai que abençoou os seus filhos com toda sorte de bênçãos [Efésios 1:3]. O Pai celestial tem prazer em nos abençoar, e sua benção sempre enriquece e traz satisfação [Provérbios 10:22]. É a vontade do Pai que todos os seus filhos sejam prósperos, e isto significa plenitude e satisfação em todas as áreas de suas vidas. Quanto as finanças é o desejo do Pai enriquecer seus filhos para que eles transbordem em toda boa obra [2 Co. 9:11]. Contudo ser rico no contexto bíblico significa estar ausente de necessidades, podendo variar de país para país. De fato Cristo se tornou pobre para nos enriquecer [2 Co. 8:10], a maldição da pobreza foi extirpada na cruz, e hoje temos condições de enriquecer por meio da nossa fé, vendo o fruto do nosso trabalho sempre ser abençoado e próspero. Deus  nos equipou com potencial, ideias e habilidades, para produzir e enriquecer.  Todavia quer estejamos vivendo na plenitude da nossa prosperidade em Cristo, ou estejamos em tempos de “severa tribulação” a graça para compartilhar generosamente nos alcança.

O Senhor Deus é sol e escudo; o Senhor concede favor e honra; não recusa nenhum bem aos que vivem com integridade.

Salmos 84:11

Em 1 Timóteo 6:17, Paulo escreve: “Ordene aos que são ricos no presente mundo que não sejam arrogantes, nem ponham sua esperança na incerteza da riqueza, mas em Deus, que de tudo nos provê ricamente, para a nossa satisfação”. O Pai não deseja que sejamos egoístas, orgulhosos, ou que coloquemos nossa confiança no lugar errado, e Ele também nos exorta a sermos generosos para compartilhar nosso recursos livremente; Todavia é também a vontade de Deus que desfrutemos de tudo o que Deus nos provê para a nossa satisfação.

 

Prosperidade: Graça, Fé e Trabalho

O livro de Provérbios possui grande sabedoria para nos ajudar a crescer na graça para compartilhar. Nos ensinando como lidar com nossas finanças, trazendo benefícios para nós e para os outros.

Que o amor e a fidelidade jamais o abandonem; prenda-os ao redor do seu pescoço, escreva-os na tábua do seu coração. Provérbios 3:3

Honre o Senhor com todos os seus recursos e com os primeiros frutos de todas as suas plantações; os seus celeiros ficarão plenamente cheios, e os seus barris transbordarão de vinho. Provérbios 3:9,10

As mãos preguiçosas empobrecem o homem, porém as mãos diligentes lhe trazem riqueza. Provérbios 10:4

O salário do justo lhe traz vida, mas a renda do ímpio lhe traz castigo. Provérbios 10:16

Há quem dê generosamente, e vê aumentar suas riquezas; outros retêm o que deveriam dar, e caem na pobreza. O generoso prosperará; quem dá alívio aos outros, alívio receberá. Provérbios 11:24,25

A riqueza de procedência vã diminuirá, mas quem a ajunta com o próprio trabalho a aumentará. Provérbios 13:11

O preguiçoso morre de tanto desejar e de nunca pôr as mãos no trabalho.
O dia inteiro ele deseja mais e mais, enquanto o justo reparte sem cessar. Provérbios 21:25,26

A recompensa da humildade e do temor do Senhor são a riqueza, a honra e a vida. Provérbios 22:4

Quem é generoso será abençoado, pois reparte o seu pão com o pobre. Provérbios 22:9

Quem lavra sua terra terá comida com fartura, mas quem persegue fantasias se fartará de miséria. O fiel será ricamente abençoado, mas quem tenta enriquecer-se depressa não ficará sem castigo. Provérbios 28:19,20

O ganancioso provoca brigas, mas quem confia no Senhor prosperará. Provérbios 28:25

Quem dá aos pobres não passará necessidade, mas quem fecha os olhos para não vê-los sofrerá muitas maldições. Provérbios 28:27

Estes ensinos e textos nos instruem em uma vida de prosperidade por meio da generosidade, enfatizando o propósito transbordante e doador das riquezas. Nestes versículos o trabalho é enfatizado, a fé para prosperar funciona em harmonia com a graça, e também em perfeita harmonia com a ética e o trabalho. A graça neste contexto se manifesta onde todos podem prosperar e produzir, Deus providenciou a humanidade uma terra produtiva com condição de prosperidade a todos, e mesmo após a queda o favor dEle esteve/está estendido aos que crêem. O justo sempre viverá por meio da fé, não há outro estilo de vida para os filhos de Deus, com isto estamos dizendo que toda forma de provisão em nossa vida provém da fé, quando cremos nosso trabalho é abençoado, há um equipar sobrenatural para produzirmos e termos grandes ideias que geram capital e valor, a graça divina se manifesta em abençoar as obras de nossas mãos.

“O SENHOR te abrirá o seu bom tesouro, o céu, para dar chuva à tua terra no seu tempo e para abençoar toda obra das tuas mãos; emprestarás a muita gente, porém tu não tomarás emprestado.”

Deuteronômio 28:12

Como Missão cremos que a provisão financeira de acordo com a Palavra provém de muitos caminhos, primariamente por meio de nosso trabalho e renda, e, também por forma sobrenatural [Mt. 17:24-27], embora trabalhemos  Deus ainda é o provedor e merece honra e glória.

Graça para compartilhar

Deus é amor  e  do Seu amor provém todas as bênçãos. Por meio da graça fomos abençoados com todas as sortes de bênçãos espirituais [Efésios 1:3], estas bênçãos incluem tudo o que precisamos e todas as promessas materiais reservadas pela Palavra. Este caráter doador de Deus , é a primeira expressão do amo.

  • A graça para compartilhar  é o poder e a habilidade de Deus para suprir nossas necessidades e nos encher de alegria enquanto nos doamos aos outros.
  • A graça para compartilhar nos guarda da escassez e do egoísmo.
  • A graça para compartilhar é a essência da generosidade de Deus.
  • A graça para compartilhar é o Amor de Deus trazendo provisão.

A graça para contribuir dá gratuita, generosa e alegremente, e Deus mede a doação pelo coração não pela quantia.

A Graça para compartilhar no Novo Testamento

Antes do conhecido texto de 2 Coríntios 9, o apóstolo Paulo fez um série de recomendações bíblicas sobre a graça para compartilhar,  neste pedido ele fez uma menção sobre a contribuição da igreja na Macedônia,  demonstrando a conexão entre as palavras: graça, doação e generosidade. Ele estava ressaltando o amor e a generosidade de Deus dentro da igreja em Corinto, e não ressaltando a quantia, mas os valores essenciais do Reino.


Agora, irmãos, queremos que vocês tomem conhecimento da graça que Deus concedeu às igrejas da Macedônia. No meio da mais severa tribulação, a grande alegria e a extrema pobreza deles transbordaram em rica generosidade. Pois dou testemunho de que eles deram tudo quanto podiam, e até além do que podiam. Por iniciativa própria eles nos suplicaram insistentemente o privilégio de participar da assistência aos santos. E não somente fizeram o que esperávamos, mas entregaram-se primeiramente a si mesmos ao Senhor e, depois, a nós, pela vontade de Deus. Assim, recomendamos a Tito, visto que ele já havia começado, que completasse esse ato de graça da parte de vocês. Todavia, assim como vocês se destacam em tudo: na fé, na palavra, no conhecimento, na dedicação completa e no amor que vocês têm por nós, destaquem-se também neste privilégio de contribuir. Não lhes estou dando uma ordem, mas quero verificar a sinceridade do amor de vocês, comparando-o com a dedicação dos outros. Pois vocês conhecem a graça de nosso Senhor Jesus Cristo que, sendo rico, se fez pobre por amor de vocês, para que por meio de sua pobreza vocês se tornassem ricos.

2 Coríntios 8:1-9

Paulo fala da doação como algo motivado pela graça. Ele estava usando o exemplo da graça que motivou as igrejas da Macedônia para encorajar os crentes em Corinto. Os macedônios não eram milionários, e nem mesmo esperaram se tornarem para começar a dar generosamente. Paulo diz que a rica generosidade deles surgira no meio da “mais severa tribulação” e em meio à “extrema pobreza”. A maior parte nós veria esta oferta como escassa, mas Paulo se refere a ela como “riqueza da generosidade”.
A graça para compartilhar nos motivará a sermos doadores na fartura ou na escassez. Jesus também ensinou este princípio em Lucas 16: 10-12. Se alguém não é generoso no pouco que tem, também não será generoso em grandes quantias de dinheiro.

Jesus também ao ensinar sobre o princípio do contribuição ensinou que Deus não está medindo a quantia mas medindo a generosidade. Em Lucas 21:1-4, há um relato de uma viúva pobre que excedeu todas as ofertas com apenas duas moedas, ela não deu aquilo que sobrou, mas deu aquilo que possuía.

 

A Graça motiva o coração generoso

A verdadeira oferta não vem de má vontade, por obrigação, compulsão ou culpa, se estas forem as motivações a graça não estará envolvida. Há muitas promessas reservadas aos generosos, mas estás promessas estão sempre condicionadas a motivação no coração. Em 1 Coríntios 13:3, Paulo diz: E ainda que distribuísse toda a minha fortuna para sustento dos pobres, e ainda que entregasse o meu corpo para ser queimado, e não tivesse amor, nada disso me aproveitaria. A doação feita na graça nunca se baseia na pergunta: ” O que ganharei em troca?”. A verdadeira generosidade nasce do mesmo princípio doador de Deus: o amor.  Em Marcos 14:6-9, vemos a extravagante oferta de uma mulher a Jesus, ela derramou um perfume caro o suficiente, equivalente a um ano de salário. Judas e os outros ficaram insatisfeitos com o “desperdício”, todavia Jesus não estava comovido com o valor da oferta, ele estava atento com o fato dela “ter feito o que pôde”. A oferta daquela mulher não tinha sido obrigatória ou mecânica, tinha vindo de um coração tocado pela graça e Jesus honrou isso.

 Ofertas de Paternidade e Discipulado

O que está sendo instruído na palavra partilhe todas as coisas boas com quem o instrui.

Gálatas 6:6

O Novo Testamento não insere uma lei ou obrigatoriedade sobre as ofertas, o encorajamento dos apóstolos sempre esteve focado na generosidade. Todavia Paulo em Gálatas 6:6 instrui os discípulos a exercerem a generosidade compartilhando as coisas boas com  os seus mentores; uma atitude de ação de graças por aqueles que dedicam suas vidas de oração pelos discípulos, encorajando-os a permanecerem firmes na fé. Está prática também foi realizada pelos crentes em Filipos: “por causa da cooperação que vocês têm dado ao evangelho, desde o primeiro dia até agora. Estou convencido de que aquele que começou boa obra em vocês, vai completá-la até o dia de Cristo Jesus. É justo que eu assim me sinta a respeito de todos vocês, uma vez que os tenho em meu coração, pois, quer nas correntes que me prendem quer defendendo e confirmando o evangelho, todos vocês participam comigo da graça de Deus”[Filipenses 1:5-7]. A conexão espiritual entre Paulo e os filipenses estava selada pelo suporte financeiro ao ministério de Paulo. Eles não apenas estavam ofertando generosas quantias para a pregação do evangelho, mas também estavam sendo generosos com o próprio Paulo [Filipenses 4:18].
A prática de uma oferta de paternidade e discipulado também ocorria na relação de Paulo e dos demais apóstolos em Jerusalém, periodicamente o Paulo levantava ofertas entre todas as igrejas e enviava para os irmãos necessitados e  aos demais apóstolos em Jerusalém [Gálatas 2:10]. Um outro apóstolo, Barnabé, também praticava uma oferta de paternidade em relação aos apóstolos de Jerusalém [Atos 4:36-37].
Com isto não estamos requerendo ofertas de nossos discípulos, ou cobrando mensalidades para realizar aquilo que nos foi ordenado, e nem mesmo desejamos com isso desenvolver um sistema piramidal de “arrecadação”. Os verdadeiros mentores de Deus não fazem cobranças e exigências monetárias de seus discípulos. A oferta de paternidade e discipulado, deve ser natural e espontânea motivada unicamente pela graça. Não há um valor específico para esta oferta, e nem mesmo um percentual, ela deve ser liderada pelo Espírito.

Ofertar em sua paternidade é decidir que você faz parte nesta visão, que você é um investidor nela. Significa que você acredita comigo que o Brasil vai orar em línguas. Sempre que você se deixa usar financeiramente com um propósito, revela que você está ligado a este propósito e o que ver crescer e prevalecer. Oferte, dê, participe, seja um associado comigo nessa jornada.

Ap. Éber Rodrigues – Ministério Ouvir e Crer Goiânia

Nossa Prestação de Contas 

A Missão Expansão do Reino acredita que todos devem prestar contas  a alguém, porque a Bíblia diz: Porque nenhum de nós vive para si  [Romanos 14:7]. De fato, não há um ministério ou trabalho “independente” ou ministro “independente”. Cremos que o atual movimento de “desigrejados” nasceu de um espírito orgulhoso, que não reconhece que dependemos uns dos outros, infelizmente está realidade se demonstra também em ministérios que não prestam contas espiritualmente e financeiramente. Tudo no Reino de Deus   se submete a uma paternidade, uma autoridade paterna a quem prestamos contas. Nossa missão se submete ao Apóstolo Eber Rodrigues do Ministério Ouvir e Crer em Goiânia – Goiás, além disso referenciamos a ele nossas questões financeiras, quanto as questões naturais. Temos também levantado outros conselheiros que nos orientam em questões naturais, eles nos ajudam com planejamento adequado em nossas finanças, cumprindo o que está escrito em Romanos 12:17: Procurai as coisas honestas perante todos os homens. Para ter acesso ao uso das nossas arrecadações e informações detalhadas sobre os recursos a nós direcionados entre em contato com: financeiro@expansaodoreino.store, ou ainda pelo telefone:


(21) 99956-0409
João Lucas Caetano
Financeiro | Expansão do Reino

Princípios do Expansão do Reino para contribuição

Propomos que aqueles que desejam ofertar e contribuir com esta Missão estejam conscientes destes princípios. Ser um parceiro financeiro conosco é cumprir o seu chamado para missões por meio de ofertas. Se você compreende os itens abaixo está pronto para a ser um parceiro financeiro conosco.

  1. A contribuição deve ser pessoal – Em 2 Coríntios 8:1-5, Paulo descreveu a generosidade dos Macedônios e disse que antes eles deram a si mesmos ao Senhor e como resultado puderam entregar aos demais. Nossa contribuição não deve ser um ritual religioso de oferta a missões, mas o reflexo de uma vida totalmente entregue a Deus. A doação é uma ação do espírito.
  2. A contribuição deve ser sistêmica – Em 1 Coríntios 16:2 Paulo ensina a igreja de Corinto a levantarem ofertas no primeiro dia da semana. Contribuições sistemáticas e regulares produzem estabilidade, maturidade, disciplina, comprometimento e por fim responsabilidade. Quando a graça para compartilhar é abundante em nossa vida ela produz, constância em nossas doações.
  3. A contribuição deve proporcional – Em 1 Coríntios 16:2 diz: “…conforme a sua prosperidade”. Nossas contribuições devem ser proporcionais ao tanto que prosperamos.
  4. A contribuição deve ser generosa – Romanos 12:8 fala a respeito daqueles dão com liberalidade, isso não se aplica unicamente ao dinheiro. Também podemos ser generosos com o nosso tempo, nossos talentos etc.
  5. A contribuição deve ser voluntária – O coração deve estar disposto e nunca forçado a contribuir. Em Isaías 1:19 está contida a promessa de que comeremos o melhor da terra “se quiserdes e me ouvirdes“.
  6. A contribuição deve ser feita com propósito – a contribuição deve ser feita  intencionalmente, com base no entendimento do propósito. Uma contribuição sem entendimento, pode ser vinda por outra motivação que não a graça.
  7. A contribuição deve ser alegre – a contribuição deve gerar alegria e satisfação, aquele que contribui deve celebrar pela fé os resultados da oferta. O contribuinte deve ver com satisfação a entrega.
  8. A contribuição deve ser responsável – devemos manter fielmente a igreja local, e também estarmos comprometidos com a visão a qual cremos, ofertando responsavelmente para missões. Neste ponto fazemos menção ao Pacto Moraviano para a Vida Cristã [Moravian Convenant for Christian Living]:
    “Consideramos uma responsabilidade sagrada e um oportunidade genuína sermos fiéis, mordomos de tudo o que Deus tem nos confiado: nosso tempo, nossos talentos, e nossos recursos financeiros. Vemos tudo da vida como um encargo sagrado a ser usado com sabedoria. “
  9. A contribuição dever ser feita com expectativa – Em Lucas 6:38 fala da relação existente entre a bênção e a contribuição generosa, devemos dar motivados pela graça, mas conscientes dos resultados abundantes da promessa.
  10. A contribuição dever ser uma expressão de adoração – a verdadeira contribuição é muito mais que uma ação financeira, ela é em si um ato de adoração a Deus. Todos os filhos maduros de Deus entendem, que tudo o que possuem foi proporcionado pela graça divina, e por isso celebram em ações de graças por meio de sus finanças.

 

DOAÇÕES VIA PAGSEGURO

 

 

 

 

Anúncios