Pais e Filhos na Fé II: Quando encontrei um Pai

Tenho sido extremamente abençoado com grandes pais na minha vida. Meus pais e avós foram pessoas importantes na formação da minha vida, eles se demonstraram exemplos de dedicação para o meu crescimento em todas as áreas.

Minha avó materna, por exemplo, foi lavadeira por décadas ela cuidou de mim por anos me encorajando a estudar da melhor forma possível. Ela foi alfabetizada muito tarde e ainda aos 77 anos ainda estudava, mas jamais permitiu que eu fosse negligente em meus estudos como aconteceu com ela. Ainda em suas limitações ajudou na fundação de dezenas de igrejas no Brasil, ela sempre foi alguém confiável a visão de seus líderes e está há 57 anos na mesma igreja local, servindo em todos os ministérios enquanto fosse possível! Hoje, eu também me responsabilizo em cuidar dela em sua velhice. Está foi uma das formas de honra-lá pelo cuidado e dedicação de sua vida para o Reino de Deus.

“Honra as viúvas verdadeiramente viúvas. Mas, se alguma viúva tem filhos ou netos, que estes aprendam primeiro a exercer piedade para com a própria casa e a recompensar a seus progenitores; pois isto é aceitável diante de Deus. Ora, se alguém não tem cuidado dos seus e especialmente dos da própria casa, tem negado a fé e é pior do que o descrente”

1 Timóteo 5:3-4, 8

Meu pai, um outro grande exemplo, sempre submeteu a jornadas duplas de trabalho para me manter com o melhor possível. Realmente tive acesso a boas escolas, os melhores cursos, pois tive bons exemplos nisso. Apesar de nossas grande diferenças de fé, ele me transmitiu um boa capacidade de visão que me ajuda em todas as áreas.

Há todo tipo de benefícios em cada nível de paternidade e se aprendemos a honrar a cada um deles em seu próprio nível, recebemos como herança as recompensas.

Paternidade e Cobertura

Também fui muito cuidado e influenciado por outros homens e mulheres como: Renato Rego, Silvino Rocha, Juan Carlos, Márcia Cardoso, Márcio Cordeiro, Iolanda Cordeiro, Fernando Guillen, Albertina Kramer, Arme Kramer, Cal Pierce, Clay Nash, John Crowder, Kenneth E. Hagin, John G. Lake, C. Peter Wagner Smith Wigglesworth, Oral Roberts, Morris Cerullo e tantos outros. Homens e mulheres que direta ou indiretamente ofereceram uma manto de cobertura ou paternidade na fé em minha vida por algum tempo.

Neste ponto preciso ressaltar que uma diferença entre paternidade e cobertura. Estes são dois termos usados comumente entre nós, mas que não significam a mesma coisa. Em alguns lugares um termo não é tão bem visto quanto o outro. Mas aprendi a desfrutar das recompensas de ambos, sabendo de forma bíblica o que cada um deles significa.

A cobertura fala a respeito de nossos líderes diretos na igreja, nem todos os nossos líderes são como pais na fé, mas os honramos como se fossem. A cobertura são mentores que nos ensinam áreas específicas em nossas vidas, eles nos lideram e cuidam de nós como professores cuidam das crianças nas escolas. Eu tive algas coberturas, eles supervisionavam a minha vida e ministério enquanto eu os servia. O triste era que eu tinha uma cobertura mas eu era um órfão na fé e não tinha um pai.

Porque, ainda que vocês tivessem milhares de instrutores em Cristo, não teriam muitos pais, pois eu gerei vocês em Cristo Jesus, pelo evangelho. Portanto, eu peço a vocês que sejam meus imitadores.

1 Coríntios 4:15-16

Um pai na fé é alguém que te traz um alinhamento, você passa a caminhar sobre a palavra, a visão e a prática daquele pai. Uma doutrina se torna calará em sua vida. A fé que há naquele pai é depositada em você, então você passa a agir como ele. Eu não tinha um pai eu tinha uma colcha de retalhos, minha cabeça era uma mistura de palavra da fé e legalismos. Eu tinha cobertura mas não tinha um norte. Eu estava servindo a visão dos líderes mas o meu coração não possuía certezas, eu tinha aprendido muita coisa mas não tinha uma paternidade que me levasse ao cumprimento completo. Não há nada errado estar debaixo de cobertura, mas um pai na fé é único, cobertura você pode ter mil. Um pai te promove e a cobertura te apresenta limites.

Um exemplo prático é que no momento certo o seu pai te levará para a escola. Ele te confiará a bons professores que treinaram você em áreas específicas. Preste atenção, um bom pai não fica satisfeito com qualquer professor, ensinando coisas ilícitas para os seus filhos. Os pais cuidam, os mentores ensinam. Meu conselho é esteja sobre a paternidade correta, e espere que ela promova para você a cobertura correta que ensinará o que você precisa. Se o seu apóstolo, pastor ou pai na fé te orientou a permanecer sob a liderança com o objetivo específico aceite e o honre o líder como se estivesse honrando o seu pai!

Este é o mesmo princípio de Deus Pai e o seus filhos. Todos temos acesso à Deus, todos somos morada do Espírito, mas o Pai Celestial decidiu por nos submeter a pais terrenos. Pais na fé, pais naturais e alguns pais geracionais, não há como fugir desta submissão. É a forma como Deus institui autoridade, desonrar uma autoridade é um desonrar um pai. Desonre um líder e estará desonrando um pai na fé, e consequência estará desonrando à Deus. Um alinhamento entre a sua paternidade e cobertura trarão o sentido disso tudo na sua vida.

Quando deixei de ser um órfão na

Eu encontrei o Éber Rodrigues, meu pai na fé, pela internet em 2012, foi a primeira vez que ouvi alguém vivo falar com tanta ousadia sobre palavra da fé. Eu já tinha lido sobre Kenneth E. Hagin, conhecia alguns ministérios que pregavam algo parecido, mas pessoalmente não conhecia ninguém que ousasse a crer daquela forma. Naquele dia eu passei a ouvir e acompanhar tudo o que ele estava dizendo. A paternidade na fé é uma escolha dupla, primeiro você decide estará ligado ao pai se submetendo a palavra que ele prega e assumindo aquele comportamento de fé, em segundo lugar aquele pai te acolhe como um filho na fé. Mesmo conhecendo a palavra da fé, levaram cerca de 4 anos para encontrar o Éber pessoalmente e ser acolhido como filho.

Mesmo estando sob outra cobertura o Éber era o meu pai na fé. Eu me tornei um filho da Palavra mesmo antes de tê-lo conhecido pessoalmente, quando o vi em 2016 pela primeira vez parecia que já estávamos ligados a anos. E de fato estávamos, e hoje tenho a oportunidade estar sob a paternidade direta dele e sob a autoridade dele.

Mesmo assim naquele meio tempo encontrei um outro grande homem de fé Fred Friend, aquele que considero o meu segundo pai na fé. Fred era um norte-americano, que nos anos 90 havia recebido sua cura da fribromialgia terminal pela fé, ele operava fortemente em todas as manifestações do Espírito, e liderava toda divisão latino-americana do Healing Rooms. Eu estava a beira de um abismo quando eu o encontrei, eu tinha acabado de ter mais um problema com os meus líderes diretos na igreja. Era realmente muito frequente ter este tipo de problema para mim. Eu tinha cobertura mas não sabia o que significava, eu tinha muito conhecimento mas não sabia como usá-lo, eu era um tipo “rebelde sem causa”, pronto para arranjar mais um debate ou desconstrução para fazer.

Pais são pessoais e próximos

A primeira coisa que Fred fez foi investir tempo em um nível pessoal na minha vida. Meus líderes já haviam tentando antes investir em mim de perto, num nível pessoal. Eu realmente sempre estava exposto aquilo que os mentores poderiam oferecer a distância como: livros, ministrações e eventos. Tudo isso me ajudou muito, mas eu nunca havia permitido algo tão profundo como um pai na fé. Meus líderes haviam tentado muitas vezes entrar neste nível, mas não havia uma alinhamento de fé entre mim e eles. Eu não estava pronto e por isso que todas vezes que eles me confrontavam, eu me sentia manipulado.

Quando eu me aproximei de Fred e depois outros homens e mulheres, fiquei impressionado com as coisas que eles haviam conquistado no Espírito – revelações, compreensão nas Escrituras, sabedoria para vida e princípios para uma vida bem-sucedida e vitoriosa. Mas isto tudo veio como herança para mim na medida que eu os permiti não minha vida, eu adquiri o que eles conquistaram e ainda estou aprendendo deles. O que eles possuem vem para mim porque eu escolhi me alinhar sob a paternidade e cobertura deles: sob o mesmo ambiente, sob a mesma influência e estando em associação. Eu deixei de ser um órfão quando eu permiti que a paternidade entrasse na minha vida.

O que eu ensino às pessoas é que Deus tem capacitado pais e mães para liberar os benefícios desta paternidade em sua vida, mas nem todos que o Senhor enviar a você serão “confortáveis e amigáveis”. Será preciso alguma exposição e transparência com eles, ainda que pareça incômodo alguém saber tanto sobre você. Os pais e mentores na minha vida, os famosos, como o Éber, e os desconhecidos, como o Fred, foram todos enviados por Deus. Foram relacionamentos estabelecidos por Ele, eu precisava estar disposto a me relacionar com eles no nível que Deus os estabeleceu. Os recebendo na minha vida, como se estivesse recebendo o próprio Jesus .

Eu lhes garanto: “Quem receber aquele que eu enviar, estará me recebendo; e quem me recebe, recebe aquele que me enviou”.

João 13:20

Aceite o alinhamento com o seu pai na fé, seja humilde e aceite a correção da sua cobertura. Esta é a jornada de um órfão na fé para um filho na fé!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: